Pensamentos aleatórios

27 de fevereiro de 2015

Professora da UFG publica Nota de Repúdio à Secretaria de Ação Social


Publicada no Facebook:

NOTA DE REPÚDIO - À SECRETARIA MUNICIPAL DE AÇÃO SOCIAL DE CATALÃO

Tem algumas pessoas que dizem estar no Poder (cargo políticos na Prefeitura Municipal de Catalão) que não sabe discernir o que é público do que é privado. Acha que por que alguns cidadãos têm posturas ideológico-partidárias diferentes das do partido que está no dito Poder (temporário - apenas 4 anos) devem ser impedidas de adentraram prédios e órgãos públicos durante a promoção de atividades culturais e, ainda, serem cerceados de compartilhar conquistas pessoais. 

Tem gente na Secretaria de Ação Social de Catalão, como as senhoras Maria Amélia e Ana Sebba, que determinam ordens para que pessoas ligadas a partidos adversários sejam proibidas de entrar no Baile da Terceira Idade, realizado no salão do CRAC. E como foi permitida a entrada e concedido o direito de uma senhora divulgasse um CD gravado (cantando uma música para todos presentes), adivinhem qual foi o resultado!!!! A COORDENADORA DO BAILE FOI DESTITUÍDA DO CARGO. 

Agora eu pergunto a você cidadão consciente, trabalhador e ao povo de catalano: 

1) a Prefeitura e seus órgãos é pública ou é de propriedade um partido político neoliberal e de algumas personas que estão no poder? 
2) O salário que paga os políticos municipais não advém do bolso dos cidadãos catalanos? 
3) Por que uma cidadã catalana que tem outra ideologia político-partidária não pode participar das atividades culturais promovidas pela Prefeitura de Catalão? 
4) Cadê o direito legal e constitucional que todo cidadão independente de religião, ideologia, etnia etc. tem de acesso aos bens públicos? 

Estou indignada e revoltada com o que vem acontecendo com nossa cidade (administração do faz de conta) e com as atitudes arbitrárias de algumas pessoas que ocupam cargos públicos na Prefeitura tomam!!! SE ALGUÉM ACHAR RUIM EU CITAR OS NOMES, ME PROCESSEM!!! Pelo que eu sei a Legislação Brasileira garante o livre arbítrio e o direito de expressão. E eu como cidadã livre, consciente não me calo diante de uma situação absurda dessa!

Profª. Dra. Magda Valéria da Silva



Magda é professora Adjunta na Universidade Federal de Goiás/Regional Catalão - Departamento de Geografia, possui Mestrado em Geografia pela Universidade Federal de Goiás/Instituto de Estudos Socioambientais (2005) e Doutorado em Geografia pela Universidade Federal de Uberlândia/Instituto de Geografia (2010). Não consta em seu currículo ser viúva.



Compartilhe:

Gustavo Sebba: o deputado-menudo mudo!


Essa vem do blog "Goiás 24 Horas", governista ao extremo, mandando recado para os deputados em primeiro mandato na Assembleia Legislativa de Goiás:

Primeira semana dos deputados “menudos” na Assembleia é um fiasco: nenhum deles sequer abriu a boca


A primeira semana de funcionamento regular da Assembleia Legislativa registrou a completa falta de atuação dos seis deputados mais jovens da Casa, já chamados de “menudos” do Legislativo.
São eles: Lucas Calil, Marquinho Palmerston, Diego Sorgatto, Jean Carlo, Gustavo Sebba e José Antonio – todos com cara de adolescentes e com idades na faixa dos 24 aos 35 anos, totalmente inexperientes em matéria de articulação e de debates parlamentares.
Os seis também integram o bloco dos 15 deputados novatos da base governista, que apresentou um projeto maroto para garantir quase dois meses e meio de férias remuneradas para os 41 integrantes da Assembleia – um gesto que abre perspectivas frustrantes para a atuação desses jovens parlamentares.
Desde a eleição até hoje, incluindo esta primeira semana de sessões normais, nenhum dos seis deputados “menudos” conseguiu se destacar no noticiário político – seja por uma ideia, um projeto, uma posição ou qualquer movimento relacionado com vida política inteligente.

Para bom entendedor...

Compartilhe:

24 de fevereiro de 2015

Catalano é preso em tentativa de fraude em concurso

Para quem não viu, segue a reportagem da TV Anhanguera sobre o catalano pego em flagrante tentando fraudar concurso público para agente de segurança prisional, ocorrido em Goiânia:


A tentativa de fraude terminou na prisão em flagrante de Romes Leandro Alves, de 47 anos, cidadão bem conhecido na cidade de Catalão já tendo sido presidente do Conselho Consultivo das Associações de Bairros de Catalão (CCABC), entidade sem fins lucrativos criada com o propósito de oferecer suporte às associações de moradores e buscar recursos com as esferas governamentais. 

Durante a realização da prova, funcionários da Fundação Universa, de Brasília, responsável pelo certame, flagraram Romes filmando a prova e repassando as imagens para alguém que estava fora do perímetro do local de prova.

Romes foi conduzido pela Polícia Militar ao plantão do 8º Distrito Policial, onde foi autuado em flagrante por tentativa de fraude em concurso público, que prevê pena de 1 a 4 anos, mais multa. Ele já havia sido autuado em flagrante por fraude em vestibular em Goiânia, mas na época não havia o artigo da lei e ele foi autuado por estelionato. Na delegacia, ele recusou-se a dizer para quem fazia a prova.

No total, segundo a organização do concurso, mais de 10 mil candidatos disputaram as 305 vagas para o cargo de agente de segurança prisional, além da formação de um cadastro reserva. O salário é  de R$ 2.847,23.

Pouco mais de 10 mil candidatos fizeram prova ontem à tarde para o cargo de agente de segurança prisional, para suprir a demanda das unidades de Goiânia, Aparecida de Goiânia, Uruaçu, Itaberaí, Rio Verde, Palmeiras de Goiás, Caldas Novas, Formosa e Luziânia.

Compartilhe:

20 de fevereiro de 2015

Sucesso do cinema, em exibição em Catalão

Em 3D:



Com a participação especial dos astros: Deboche e Incompetência!!!

Em cartaz, em todos os bairros da cidade, até 31 de dezembro de 2016.

Compartilhe:

19 de fevereiro de 2015

Seria o Chico Pinheiro, do Bom Dia Brasil, uma viúva?

"A burocracia e o descaso com a saúde do brasileiro terminaram com a morte de uma idosa em Goiás. Ela esperou 11 horas para ser transferida. Mas as três ambulâncias do município de Catalão estavam quebradas. Quando o socorro da cidade vizinha chegou, já era tarde demais."
Com essas palavras o jornalista Chico Pinheiro, do Bom Dia Brasil, iniciou a reportagem veiculada hoje pela manhã, 19 de fevereiro, em rede nacional de televisão, sobre a morte da senhora Divina Costa Martins, moradora do bairro Santo Antônio, em Catalão, após uma espera de onze horas por uma ambulância do SAMU. Para quem não viu, segue a reportagem completa (atenção à frase do Chico Pinheiro quando a imagem volta para ele, pouco antes do fim da matéria):


"Falta respeito, falta ambulância e sobram explicações"

Quem mora em Catalão e assistiu a reportagem certamente sentiu vergonha de ver sua cidade exposta de forma tão negativa na principal rede aberta de televisão do país, numa situação lamentável narrada por um dos principais âncoras da TV brasileira. 

E não é a primeira vez que o Chico Pinheiro anuncia no Bom Dia Brasil o descaso na saúde em Catalão. Em 29 de dezembro, para citar em um exemplo recente, o jornal veiculou matéria sobre a greve dos médicos plantonistas no Pronto Socorro da Santa Casa, que já se arrastava por 15 dias.

E vendo como o jornalista se referiu a questão, atribuindo à falta de respeito com o cidadão a principal causa da morte de dona Divina, fico a imaginar se Chico Pinheiro também não seria uma viúva, como Alaor Rodovalho e toda equipe jornalística da TV Anhanguera local, afinal só as viúvas criticam e veem defeito na atual gestão de Catalão, para o resto da população está tudo bem, está tudo funcionando.

Mas se for esse o caso, em breve veremos em rede nacional de televisão o fechamento de creches conveniadas por falta de repasse, a iluminação pública deficitária, a falta de material no Centro Odontológico, os buracos nas ruas, a falta de pagamento de prestadores de serviço e outros problemas, que só as viúvas veem.

Não é mesmo?



Compartilhe:

Enquanto isso, depois do Carnaval, em Catalão (2)...

Tem gente que parece ainda estar fantasiado:


É desse jeito...

Compartilhe:

Enquanto isso, depois do Carnaval, em Catalão...

Os cidadãos se inteiram das notícias locais:


E que ressaca!!!

Compartilhe:

18 de fevereiro de 2015

A Saúde é ruim, os médicos entram em greve, não temos ambulâncias... mas temos samba no pé

Para quem não viu, segue a reportagem da TV Anhanguera sobre a morte de dona Divina Costa Martins, de 84 anos, que faleceu na terça-feira após esperar mais de dez horas para ser transferida do hospital São Nicolau para a Santa Casa de Goiânia, onde seria submetida a uma cirurgia para implante de marcapasso:


Certamente a gestão municipal foi pega de surpresa pelo precário estado das ambulâncias do SAMU que operam em Catalão, pois foi há apenas um mês, 14 de janeiro, que o Bom Dia Goiás noticiou que o SAMU de Catalão estava sem ambulâncias em condições de transportar pacientes:


Com certeza há um bom motivo para explicar porque não deu para providenciar o conserto das ambulâncias, talvez porque a arrecadação de quase 30 milhões de reais por mês já está toda comprometida e por pouco não deu para separar os 40 mil para a escola de samba desfilar na avenida 20 de agosto.



Mas não reclamemos, pois com certeza o conserto das ambulâncias ficaria mais caro do que isso e não daria para desfilar com elas na avenida sem ser vaiado pela população, além do que "Sáude é ruim em todo lugar" como bem disse nosso prefeito no Twitter.



Os familiares de dona Divina com certeza concordam e não vão colocar a culpa no prefeito por esta tragédia, pois entendem que o Carnaval (ainda mais um "Carnaval Consciente") tem prioridade sobre a Saúde.



Bom, cada gestão tem suas prioridades, cabe ao povo compreender, afinal foi o povo que concedeu o mandato.

Parabéns, Catalão! Pelo "Carnaval consciente", que economizou dinheiro dos cofres públicos para investir na UPA, mas se esqueceu das ambulâncias do dia a dia. Parabéns, pela falta de vergonha dos gestores municipais, que não queimam a cara ao dar desculpas esfarrapadas ou colocar a culpa nas gestões anteriores. Parabéns, pela paciência de Jó em esperar melhora de onde não virá e pela capacidade de sofrer resignadamente.


Mas isso logo passa, é só até a UPA ficar pronta. Até lá, sigamos, vivendo e morrendo na terra do eterno deboche.

Compartilhe:

10 de fevereiro de 2015

Indústria automobilística lança modelo de carro adaptado ao preço da gasolina brasileira


Compartilhe:

O caso de amor do Jornal Opção com Catalão

O Jornal Opção, de Goiânia, tem um caso de amor com o município de Catalão. É de longe o veículo de imprensa da capital que mais veicula notícias de nossa cidade, levando-as para todo o Brasil, haja vista a edição online do semanário, disponível gratuitamente pela internet. Todo domingo há uma nova notinha sobe Catalão e a cobertura das eleições, sejam as municipais ou estaduais, ganham destaque na publicação, assim como os políticos locais.

Todo domingo eu acesso o Opção. Adquiri esse hábito desde as eleições municipais de 2008, pois realmente gostei da cobertura feita pelo jornal. Achei, até certo ponto, isenta e perto da realidade, retratando bem a apertada disputa daquele pleito, em que o Opção errou apenas o final: vitória de Velomar sobre Jardel, sendo a aposta do jornal o resultado oposto. Na disputa de 2012, embora a cobertura tenha ficado mais tendenciosa, o Jornal Opção acertou a maioria de suas projeções, com destaque, é claro, para a vitória de Jardel sobre Adib. Infelizmente, a partir daí, a cobertura sobre Catalão feita pelo Opção se tornou uma peça de propaganda oficial do Governo da Parceria e  ferramenta de depreciação da oposição política local, desmerecendo qualquer crédito do leitor que mora em Catalão e vivencia a realidade do município.

Para provar minha argumentação, compartilho abaixo algumas notícias sobre Catalão que saíram com destaque no Opção. São notícias que, de tão fora da realidade, mais parecem crônicas de humor do que fatos verídicos noticiados por um importante veículo de comunicação da capital.

Primeira piada: segundo o Opção, no final de 2013 e início de 2014, a população de Catalão passou a chamar o prefeito Jardel de "Jardeus Sebba", tamanha sua popularidade que, segundo o jornal, passava de 85%, a "unanimidade inteligente" da cidade.



Segunda piada: segundo o Opção, Gustavo Sebba seria o puxador de votos da chapa de deputados do PSDB, obtendo de 40 mil a 50 mil votos (foi o sétimo colocado na chapa).


Terceira piada: o Opção insistia que Gustavo Sebba teria entre 40 mil e 50 mil votos, chamando a atenção a comparação, sem sentido, com a possível votação de Adib Elias, que teria apenas 15 mil votos, perdendo para o "garoto" Gustavo.


Quarta piada (a melhor): o Jornal Opção noticiou que Gustavo Sebba obteria só em Catalão, supostamente sua principal base política, a impressionante votação de 17 mil votos. Não custa nada lembrar que, mesmo com uma campanha milionária, mal chegou a 9 mil votos.


Quinta piada: o Jornal Opção informe que "o povo de Catalão" diz que existe um fila de gente disposta a surrar o ex-prefeito Adib Elias. Estranho existir uma fila de gente disposta a surrar um político em uma cidade onde obteve 48,64% dos votos válidos na eleição para deputado estadual, uma votação quase três vezes maior do que o segundo colocado, mas, certamente, para publicar essa asneira informação o Opção deve ter ouvido fontes confiáveis.


Sexta piada: mais uma vez as confiáveis fontes consultadas pelo Jornal Opção informam que a "sociedade catalana" critica a passeata ocorrida na quarta-feira, 4 de fevereiro, e que o movimento, que reuniu cinco mil pessoas reclamando da atual gestão do município é armação da oposição.


Ao ler as pérolas do Jornal Opção sobre Catalão fico imaginando duas coisas: o semanário simplesmente abriu mão da credibilidade e acredita piamente em suas fontes, sem sequer se importar com checar a veracidade do que está informando; ou está se preparando para mudar o foco da publicação, de jornal informativo e de opinião, para um semanário satírico de humor, nos moldes do Charlie Hebdo, da França, e está usando nossa cidade de cobaia para produção de suas crônicas humorísticas.

Se for o segundo caso, me disponho a colaborar com as charges.



Compartilhe:

6 de fevereiro de 2015

Pra começar bem o dia

Em um dia chuvoso como esse nada como uma música bem animada para começar o dia, ainda mais se for um talento da terra:


Compartilhe:

Ainda tem alguém que acredita no Jardel

Para aqueles que acham que o prefeito de Catalão está tão desgastado que ninguém fora de seu círculo de confiança mais próximo ainda pode acreditar na salvação de sua gestão, compartilho a charge abaixo, que demonstra que até mesmo um gestor muito criticado possui fiéis seguidores:


O Coelhinho da Páscoa e o Papai Noel também queriam sair na charge, mas não conseguiram chegar a tempo...

Compartilhe:

Grandes lorotas políticas recentes

Uma nacional, outra estadual e uma local:

Ninguém cumpre com a palavra mais hoje em dia...

Compartilhe:

5 de fevereiro de 2015

A transferência de responsabilidades


Ótimo texto de Vladmir Safatle, publicado hoje na revista Carta Capital, sobre a crise hídrica em São Paulo que, de certa forma, pode preparar os catalanos para uma possível crise de abastecimento de água que poderá atingir nossa cidade em um futuro próximo:
 
A metáfora não poderia ser melhor. O Brasil tem em seu território uma das maiores reservas hídricas de água potável do mundo, algo em torno de 12% de toda a reserva mundial. Em 2015, o estado mais rico da federação, comandado por uma oligarquia que se perpetua no poder há mais de 20 anos, está prestes a colocar em marcha uma política de guerra para racionar água, acrescentando assim outro capítulo ao “racionamento que tem medo de dizer seu nome” aplicado há meses no estado. Até mesmo a hipótese de evacuação parcial da cidade de São Paulo foi discutida. Ou seja, mesmo quando temos todos os recursos disponíveis conseguimos chegar em uma situação de catástrofe.
 
Poderíamos começar aqui por fazer explicações, as mais inteligentes e elaboradas, remetendo as razões da crise hídrica ao “patrimonialismo ibérico”, ao “despreparo dos governantes”, à “falta de estatura moral do povo”, ao “degelo da Era Glacial” ou qualquer outro candidato a significante vazio da vez. No entanto, muitas vezes fazemos de tudo para procurar causas distantes e genéricas simplesmente para não tomar providências diante das causas diretas e visíveis a qualquer um que queira ver.

No caso da crise hídrica de São Paulo, a causa tem nome e sobrenome: o governador Geraldo Alckmin, assim como seus antecessores diretos, todos eles ligados ao mesmo grupo político. Não é possível que setores da população de São Paulo continuarão com essa incapacidade patológica de responsabilizar claramente quem tem a responsabilidade direta sobre o problema. Foi tal incapacidade que se expressou, por exemplo, na maneira errática com que setores hegemônicos da imprensa trataram o problema e suas causas, sem aquele ímpeto investigativo conhecido de todos quando é questão de explorar as responsabilidades do governo federal. Foi ela que deu a tais governos a sensação de impunidade, de poder fazer o que bem entender, escondendo informações da população, jogando com a sorte para ver se chove no lugar certo. Tudo isso até chegarmos nesse ponto deplorável.

Os estudos agora começam a se avolumar, mostrando a ausência de um planejamento mínimo de longo prazo, assim como falta de investimento em obras essenciais, desconhecimento completo de problemas ecológicos e de impacto ambiental, complacência com a especulação imobiliária em áreas de mananciais. Ou seja, uma quantidade tão grande de inépcia e ausência de reconhecimento honesto dos problemas diante da população, ––nos confere o direito de perguntar se realmente precisamos de governo estadual. Ter deixado tudo sem administração não teria produzido resultados muito diferentes dos atuais.

Por exemplo, pergunte-se há quanto tempo o Rio Tietê está “em processo de despoluição” e quais são seus maravilhosos resultados. Se a política que, salvo engano, começou no governo Fleury, tivesse sido conduzida de maneira séria, poderíamos ter um rio integrado ao sistema hídrico estadual. Pergunte-se qual a última vez que um reservatório foi construído no estado ou qual o resultado efetivo da abertura do capital da Sabesp. Sim, há muitas perguntas a serem formuladas.

No entanto, o que não podemos mais fazer é nos escondermos no cinismo covarde de quantos reconhecem o caráter insuportável da situação, mas se apressam a dizer: “Bem, não há alternativa mesmo, então melhor não fazer nada”. As alternativas são criadas quando mostramos nossa indignação e recusamos o que tenta se impor a nós com a única justificativa de dever continuar porque aqui já está. São Paulo é um estado com grande inteligência e capacidade de criação, com duas das mais importantes universidades do Brasil capazes de estudos que o governo estadual ama ignorar. Setor algum da população é ouvido na discussão de políticas que afetam a todos. Apenas a arrogância tecnocrática de sempre, com seus resultados patéticos de sempre. 

Por fim, há de se lembrar que um país com os recursos hídricos do Brasil não teria o direito de impor tamanha humilhação à sua população, em especial o setor mais pobre, que sofre as consequências da irresponsabilidade governamental há tempos. O esgotamento do cenário político nacional é acompanhado de um esgotamento ainda mais impressionante no plácido cenário estadual do Tucanistão. Há de se virar todas as páginas.

Compartilhe:

"O povo não tem motivo para ir às ruas protestar"


Quem viu a entrevista do prefeito Jardel no jornal Anhanguera, edição do meio dia, ou acompanhou-o pelo Twitter, teve a certeza de uma coisa: o homem, mesmo espumando o canto da boca de tão nervoso, não desce do pedestal e prefere continuar ignorando o apelo popular à melhora de sua gestão do que reconhecer suas falhas.

Ou realmente vive em outra realidade, só pode.

Mais uma vez ele preferiu acreditar na Catalão virtual criada em sua cabeça do que reconhecer a insatisfação da população com seu governo. Menosprezou a mobilização popular ao reduzir os cerca de 5 mil participantes a apenas 700 pessoas, sendo que, na cabeça do prefeito, todos que participaram ali eram desempregados e desmamados das tetas públicas. Na realidade haviam pais e mães de família, professores e estudantes universitários, alunos de escolas das redes públicas e privadas, empresários, pequenos agricultores e pecuaristas, servidores públicos municipais, enfim gente representando todos os segmentos da comunidade catalana, que nosso prefeito prefere colocar em um mesmo saco e chamar de viúvas.

E o povo enxerga isso como deboche.

Mas acredito que o prefeito realmente não entende porque o povo se manifesta contra ele hoje, já que nunca antes se manifestou contra nenhum gestor público catalano, nem mesmo quando estourou a famosa"Operação Ouro Negro", que rendeu reportagens na mídia estadual, prisão de secretários municipais e um livro denuncia encomendado. Afinal, contra ele (Jardel) não existe nenhuma acusação de desvio de conduta ou roubo de dinheiro público, como é que a população pode se revoltar contra ele, pois "a saúde é ruim em todo lugar", "ruas esburacadas tem em todo lugar", e é só isso que vai mal em sua gestão.



O fato é que o eleitor, e isso é "em todo lugar", pode até perdoar o político supostamente corrupto, MAS NÃO PERDOA O GESTOR INCOMPETENTE.

E é essa a visão que o povo de Catalão tem hoje do prefeito: um gestor incompetente, inepto e incapaz, até mesmo de justificar as falhas de sua gestão, pois não as reconhece. Prefere ignorá-las e colocar a culpa nos adversários. E a população não quer saber se a gestão anterior roubou ou deixou de roubar, quem está na cadeira agora é o Jardel e é dele que devem vir as soluções, não de quem saiu do poder.

Mas o prefeito ignora e, tal qual um moleque brigando com o outro pra ver quem tem o maior bilau, diz que também fará uma manifestação e que a sua será muito maior.


Acontece que o povo de Catalão não foi pra rua por causa da Ouro Negro porque o Pronto Socorro da Santa Casa não suspendeu o atendimento por falta de pagamento. O povo não foi pra rua por causa dos desvios do IPASC porque as viagens para tratamento de saúde não foram suspensas por falta de combustível. O povo não foi pra rua pelos contratos fantasmas na Câmara Municipal porque as empresas terceirizadas não romperam os contratos com a prefeitura por falta de pagamento. E tudo isso aconteceu nessa gestão, com uma arrecadação de 30 milhões de reais por mês.


O povo foi pra rua ontem porque se cansou do deboche do prefeito. E isso é motivo mais do que suficiente para ir às ruas protestar.


Compartilhe:

O encontro da Tropa de Choque com os manifestantes em Catalão


Para quem apostava em um conflito dos manifestantes com a Tropa de Choque que cercava a Prefeitura, segue uma charge que retrata o que aconteceu quando os primeiros manifestantes se aproximaram do cerco:


Compartilhe:

4 de fevereiro de 2015

E a chuva chegou ao fim...


Compartilhe:

Enquanto isso, no Céu...

São Pedro recebe uma inesperada, e desesperada, visita:


Mas é para ir só até às 18h, porque depois tem que ir para o Genervino da Fonseca ver o CRAC...

Compartilhe:

E a está chegando a hora da manifestação...

Se a chuva permitir, vários grupos se encontrarão logo mais, às 18h, no pátio do Posto JK, para protestar por uma Catalão melhor. Segue abaixo alguns banners do evento que estão circulando pelo Facebook:








Compartilhe:

Detran suspende compra dos leitores de código de barras das novas placas de veículos


Notícia superinteressante (e revoltante) para quem teve que trocar a placa de seu veículo ano passado, aqui em Goiás:

Suspensa compra de leitor de placas

O Departamento Estadual de Trânsito de Goiás (Detran-GO) suspendeu a licitação para a compra de 500 leitores ópticos de código de barras para fiscalização das placas veiculares que o governo estadual implantou desde abril do ano passado para veículos novos, transferidos e modificados. As placas do Detran-GO, como O POPULAR mostrou em outubro, não foram regulamentadas pelo Conselho Nacional de Trânsito (Contran), mas mesmo assim estão sendo colocadas nos veículos há quase 10 meses. A licitação estava prevista em R$ 890.665,00.

O problema é que sem o leitor de código de barras o modelo de placa adotada pelo Detran-GO perde o sentido, pois a diferença em relação à placa regulamentada pelo Contran estava justamente no código. No ano passado, a direção do Detran-GO insistiu no modelo e quase obrigou todos os donos de veículos do Estado a fazer a troca das placas alegando que o código dava mais segurança. Sem os leitores, não há como verificar as informações nas barras. 

A suspensão atende a uma recomendação da promotora de Justiça Leila Maria de Oliveira. Ela argumenta que a aquisição das 500 unidades acarretará prejuízo aos cofres públicos, tendo em vista que os equipamentos serão utilizados apenas para a leitura dos códigos de barras das placas instaladas em 2014 e 2015, já que em janeiro de 2016 será implantado um novo modelo de placa veicular, que seguirá os padrões do Mercosul. “Os leitores ópticos serão utilizados por apenas um ano, uma vez que, em 12 meses, será dado início a um novo modelo de emplacamento. Assim, o gasto de tão vultuosa quantia é desnecessária”, afirmou. 

Leila Maria sustenta que a troca de placas pelo modelo atual teve início em meados de 2014 e, até então, a fiscalização não contou com o leitor óptico para desenvolver seus serviços.

A pergunta que não quer calar: quem pagou quase 300 reais pela mudança vai ter seu dinheiro de volta?

Compartilhe:

Catalão está entre as 32 cidades goianas com risco de faltar água em 2015

Saiu ontem, 3 de fevereiro, em O Popular, ainda bem que a SAE fez um empréstimo de 36 milhões de reais para nos livrarmos do risco de ficar sem água...
 
Barragem no Ribeirão Samambaia, em Catalão
 
Confira as 32 cidades goianas com risco de faltar água

O volume de chuvas em janeiro em Goiânia ficou 83% abaixo do esperado para o mês. A seca deste ano só agrava um problema detectado em 2011 pela Agência Nacional das Águas (ANA) que alertava para a necessidade de substituição de mananciais que abastecem 32 cidades goianas até 2015 – dentre elas estão 9 das 10 maiores do Estado, como Goiânia. Caso contrário, 3,5 milhões de pessoas que moram nestes municípios sofreriam com a falta de água (veja abaixo relação dos 32 municípios).

O Atlas Brasil - Abastecimento Urbano de Água confrontou a demanda projetada para este ano com a disponibilidade hídrica do manancial (superficial ou subterrânea) de cinco anos atrás, levando em consideração a infraestrutura de cada sistema e os cálculos hidrológicos observados ao longo dos anos.

De lá para cá, a situação ficou ainda mais preocupante, pois a análise não levou em conta a possibilidade de diminuição do recurso. Por conta da falta de chuvas, especialistas alertam para uma mudança de comportamento dos consumidores e não descartam um cenário ainda mais seco a partir de julho.

“O Atlas estudou o crescimento natural da demanda de água em relação à oferta. O que se verifica hoje em muitos lugares do País é uma estiagem com reflexo na redução da oferta de água dos mananciais utilizados”, afirma a especialista em recursos hídricos da ANA, Elizabeth Juliatto.  
Confira as 32 cidades goianas com risco de faltar água

- ÁGUAS LINDAS DE GOIÁS
POPULAÇÃO - 182.526
MANANCIAL - Poços Águas Lindas de Goiás

- ALTO PARAÍSO DE GOIÁS
POPULAÇÃO - 7.328
MANANCIAL - Nascente do Córrego Pontezinha/Córrego Almêcegas

- ANÁPOLIS
POPULAÇÃO - 361.991
MANANCIAL - Ribeirão Rio Piancó

- APARECIDA DE GOIÂNIA
POPULAÇÃO - 511.323
MANANCIAL - Rio Meia Ponte

- BONFINÓPOLIS
POPULAÇÃO - 8.508
MANANCIAL - Córrego Barro Preto

- CATALÃO
POPULAÇÃO - 96.836
MANANCIAL – Ribeirão Samambaia

- CIDADE DE GOIÁS
POPULAÇÃO - 24.615
MANANCIAL - Córrego Bacalhau

- COCALZINHO DE GOIÁS
POPULAÇÃO - 18.871
MANANCIAL - Córrego Pedra Fincada

- COLINAS DO SUL
POPULAÇÃO - 3.563
MANANCIAL - Nascente Água Franca

- CÓRREGO DE OURO
POPULAÇÃO - 2.590
MANANCIAL -Córrego de Ouro

- CRISTALINA
POPULAÇÃO - 52.235
MANANCIAL - Córrego Embira

- CRIXÁS
POPULAÇÃO - 16.592
MANANCIAL - Córrego Forquilha

- ESTRELA DO NORTE
POPULAÇÃO - 3.389
MANANCIAL - Rio Santa Tereza

- FAZENDA NOVA
POPULAÇÃO - 6.239
MANANCIAL - Córrego Grande

- FORMOSA
POPULAÇÃO - 110.388
MANANCIAL - Córrego Bandeirinha

- GOIÂNIA
POPULAÇÃO - 1.412.364
MANANCIAL - Rio Meia Ponte

- ISRAELÂNDIA
POPULAÇÃO - 2.930
MANANCIAL - Córrego do Vaz

- ITARUMÃ
POPULAÇÃO - 6.777
MANANCIAL - Córrego da Pimentinha

- MINEIROS
POPULAÇÃO - 59.275
MANANCIAL - Córrego Mineiros/Nascente Perpétuo

- MOSSÂMEDES
POPULAÇÃO - 4.878
MANANCIAL - Ribeirão Cafundó

- MOZARLÂNDIA
POPULAÇÃO - 14.558
MANANCIAL - Córrego Barreirinho

- NOVA CRIXÁS
POPULAÇÃO - 12.571
MANANCIAL - Córrego Brejão

- NOVA ROMA
POPULAÇÃO - 3.487
MANANCIAL - Nascente do Córrego Morcego

- NOVO GAMA
POPULAÇÃO - 104.899
MANANCIAL - Ribeirão Santa Maria

- OUVIDOR
POPULAÇÃO - 6.038
MANANCIAL - Ribeirão da Lagoa

- PIRENÓPOLIS
POPULAÇÃO - 24.279
MANANCIAL - Córrego Barriguda/Córrego Frota

- RIO VERDE
POPULAÇÃO - 202.221
MANANCIAL - Córrego Abóbora

- SANTA BÁRBARA DE GOIÁS
POPULAÇÃO - 6.189
MANANCIAL - Córrego Água Limpa

- SILVÂNIA
POPULAÇÃO - 20.106
MANANCIAL - Córrego Caidor

- TRÊS RANCHOS
POPULAÇÃO - 2.896
MANANCIAL - Córrego da Cotia

- TRINDADE
POPULAÇÃO -115.470
MANANCIAL - Rio Meia Ponte

- VALPARAÍSO DE GOIÁS
POPULAÇÃO - 150.005
MANANCIAL - Poços Valparaíso
  
Compartilhe:

É hoje!!!


Manifestação em Catalão, às 18h,  no Posto JK. Vista-se de branco (para não ser chamado de viúva) faça seu cartaz e compareça para protestar por tudo o que VOCÊ considera importante.

  • Frustrado com a promessa de renovação das práticas políticas feita e não cumprida pelo atual prefeito: PROTESTE!
  • Indignado com a falta de vergonha na cara dos atuais vereadores: PROTESTE!
  • Decepcionado com o revezamento das famílias no comando da cidade: PROTESTE!
  • Preocupado com o atual caos administrativo vivenciado em Catalão: PROTESTE!

Seja pelo que for: VEM PRA RUA!!!


Compartilhe:

3 de fevereiro de 2015

Nota da empresa SAMMA sobre suspensão de serviços à Prefeitura de Catalão


Para quem acha que está tudo em ordem em Catalão e não existe motivo para protestar, confira o vídeo abaixo:


Santa Casa, São Nicolau, Nars Faiad, Corpus, Samma... SEM RECEBER DESDE SETEMBRO DE 2014!!!

Afinal, PARA ONDE FOI O DINHEIRO DE CATALÃO?!

Compartilhe:

As perguntas que eu gostaria de fazer ao prefeito Jardel


Li agora a pouco a entrevista concedida pelo prefeito Jardel Sebba ao Blog do Mamede e me senti frustrado, pois, no limiar de uma manifestação contrária à sua gestão, esperava mais das respostas do prefeito. Mesmo assim recomendo a todos que leiam, nem que seja para rir um pouco.

É verdade que as perguntas elaboradas pelo Mamede não ajudaram nem um pouco, de tão superficiais que foram. Deduzo que o Mamede foi camarada com o prefeito, pois se sua intenção fosse apertar não faltariam questões para abordar, ainda mais o Mamede, um dos que mais conhecem a política catalana.

Enfim, dado minha frustração, passei a pensar quais seriam as perguntas que eu gostaria, caso tivesse oportunidade, de fazer ao prefeito Jardel. Elaborei algumas e resolvi compartilha-las aqui no blog. Pego apenas o gancho da primeira pergunta feita pelo Mamede, pois acho que a resposta do prefeito é um ótimo ponto de partida para as demais: 

(Mamede) Prefeito como analisa essa proposta de manifestação? 

(Prefeito Jardel) Não acredito que o povo de Catalão tenha motivo para ir a essa manifestação, para comparecer em massa teria que ter motivos mais reais, como devolver os 11 milhões da Ouro Negro, ou explicar porque o Velomar com o aval do vereador Gilmar no dia 19 de dezembro de 2012 tirou milhões do IPASC de fundos bons para colocar em fundos podres. O Deusmar explicar os contratos fantasmas da Câmara de Vereadores, o Rodrigão explicar a fortuna amealhada, que segundo sua esposa é fruto de roubo, aí sim seria motivo para manifestar.

Dando continuidade, seguem as minhas perguntas: 

O senhor não considera as constantes greves dos médicos da Santa Casa, situação nunca antes vivenciada pelos cidadãos de Catalão, motivo suficiente para uma manifestação, haja vista que o problema foi notícia até no Bom Dia Brasil e por muito menos que isso os cidadãos de Coari, no Amazonas, incendiaram a casa do prefeito?

O senhor considera o estacionamento rotativo (Área Azul) uma de suas maiores realizações, afinal melhorou o fluxo de veículos no centro da cidade e democratizou o acesso às vagas de estacionamento. Mas por que em Catalão é praticado o maior preço nas praças onde a Explora Park atua (Andradina/SP - R$ 1,00 por hora; Apucarana/SC - R$1,40; Tubarão/SC - R$1,25)?  Por que o senhor acredita que o povo de Catalão deva pagar mais caro do que a população dessas outras cidades?

Na campanha para a prefeitura o senhor falava que o diferencial da sua gestão seria o planejamento, algo inexistente nas gestões anteriores. No entanto o senhor levou nove meses para descobrir que o Rodrigão era incompetente e demiti-lo da Seinfra; ampliou o horário de atendimento da Farmácia Municipal, mas deixou faltar remédio; deixou pacientes com tratamento fora de Catalão sem transporte por falta de gasolina nos veículos da Secretaria de Saúde; levou pelo menos seis meses para constatar que a Corpus estava executando um serviço aquém do que a prefeitura pagava... entre outros exemplos. O que faltou: planejamento ou competência? 

Recentemente a TV Anhanguera noticiou que os apartamento do programa "Minha Casa Minha Vida", no bairro Maria Amélia, estavam prontos há mais de um ano, mas não eram entregues aos beneficiários por falta de rede de esgoto. Seu secretário de Comunicação colocou a culpa na gestão anterior, que teria informado à Caixa Econômica e existência de rede de esgoto no local, e que a atual gestão estava fazendo fossas coletivas para entregar os apartamentos, sendo que ficariam prontas em menos de uma semana. Afinal, qual a justificativa para sua gestão levar mais de um ano para descobrir que não existia rede de esgoto no local? 

Em campanha, o senhor propôs ampliar o Programa de Saúde da Família (PSF) em Catalão, justamente por esse programa apresentar um melhor índice de atenção básica a saúde de seus usuários, ou seja, é melhor para o povo do que o modelo de Unidades Básicas de Saúde (UBS). No entanto, agora o senhor só fala em UBS, o que foi que mudou? 

Sendo o senhor um prefeito tão bom, tão trabalhador, fazendo uma gestão inovadora e revolucionária, a que atribui a votação vexaminosa obtida pelos candidatos apoiados pelo senhor aqui em Catalão na última eleição? 

Mais uma vez o senhor está em Goiânia para conseguir, junto ao Governo do Estado, verbas para a reforma do ginásio internacional. Por que agora o povo de Catalão deveria acreditar que as obras vão sair, haja vista que a mesma reforma foi anunciada várias vezes e nunca foi terminada? 

Recentemente o senhor processou um cidadão de Catalão por escrever em redes sociais que o senhor seria estelionatário, o que é uma acusação falsa, haja vista a prescrição do processo que o acusava de desvio de recursos. No entanto, contraditoriamente, o senhor sempre cita a Operação Ouro Negro para denegrir seus adversários, em especial o ex-prefeito Adib Elias, mas a referida operação foi considerada ilegal e o processo anulado, situação semelhante ao seu caso, ou seja, em ambas as situações o Estado perdeu o direito de punir. Por que o senhor continua fazendo uso desse expediente? Nesse caso, o senhor não acha que esse cidadão processado merece um pedido de desculpas, afinal ele só fez a mesma coisa que o senhor faz todo dia?

O senhor atribui toda e qualquer crítica a sua gestão de recalque de viúva desmamada. O senhor realmente acredita que todos que o criticam são mesmo viúvas ou pode ser gente de bem que simplesmente se decepcionou com o senhor, que se frustrou com a promessa de renovação feita em campanha, que lhe deu o voto de confiança para realizar seu sonho de administrar Catalão, mas que se arrependeram por constatar que o senhor se preocupa mais em denegrir os adversários e puxar saco do governador do que com a administração da cidade?

São essas as perguntas que me vieram à cabeça por hora, mas tenho certeza que cada cidadão de Catalão tem sua própria lista de perguntas que gostaria de fazer ao prefeito, pena que ele prefere debochar da população a responder qualquer coisa fora do roteiro.

Compartilhe: