Pensamentos aleatórios

30 de janeiro de 2015

Respondendo rápido, sem paixão e com a razão (3)

Seguindo com a série "Respondendo rápido, sem paixão e com a razão" escolhi para hoje uma das melhores medidas tomadas pela gestão Jardel:


Respondendo sem paixão:

Ampliar o horário de funcionamento da Farmácia Municipal, assim como criar uma nova unidade na avenida Lamartine, foi sim uma das melhores medidas da gestão Jardel, uma ótima alternativa para a população trabalhadora que não tem tempo para procurar a farmácia durante o dia, uma grande sacada que realmente merece os aplausos da população, MAS NÃO ADIANTA AMPLIAR O HORÁRIO DA FARMÁCIA E NÃO TER REMÉDIO PARA ENTREGAR.

Desde o começo desse horário diferenciado são inúmeras as reclamações da população sobre a falta de remédios na Farmácia Municipal, inclusive de pessoas que vão lá no horário de 19h às 22h e acabam por discutir com os atendentes por não conseguir seu remédio, tanto que atualmente existe até um cartaz afixado alertando o usuário do Art. 331 do Código Penal (Desacato ao Servidor Público) que seria aplicado a quem "reclamar demais", pois não é responsabilidade do atendente a falta de remédio.

Esse descompasso entre o que foi planejado (ampliação do horário) e o que é executado (entregar remédios pra população, mas aí não tem remédio) é um dos grandes problemas da gestão Jardel, que até tem boas ideias, mas se mostra incompetente para executa-las.

E o pior é que, na maioria dos casos, esse descompasso não é reconhecido e as reclamações da população são ignoradas e colocadas no balaio de lamentos das viúvas. Se Jardel se preocupasse mais em ouvir o povo e menos com calar boca de viúva, sua gestão não estaria nesse patamar de avaliação negativa de agora.

Compartilhe:

Bom Dia Goiás - Jovem de 14 anos atira para matar, em Catalão


Realmente, do jeito que a violência e a juventude vão caminhando juntas, é difícil saber onde vamos parar.

Para quem  não viu, segue reportagem do Bom Dia Goiás, de hoje, 30 de janeiro, sobre um jovem de 14 anos, com cinco passagens criminais registradas pela Polícia, apreendido ontem, 29 de janeiro, portando armas e drogas. Logo após o depoimento é liberado e aí, junto com um cúmplice, tenta assassinar um outro jovem de 19 anos.


Compartilhe:

Lembra-se do Catalimpo?

Para quem não se lembra de quem é o Catalimpo, segue um vídeo para refrescar a memória:


O Catalimpo tem um recado para os catalanos:



Jamais te esqueceremos Catalimpo!
Qual será o novo mascote da coleta de lixo em Catalão? Será que o governador virá conhece-lo?

Aguardemos...

Compartilhe:

Enquanto isso, no gabinete do Prefeito...

Jardel inicia mais um estafante, porém produtivo, dia de trabalho:


Com certeza!!!

Compartilhe:

29 de janeiro de 2015

Para se ver livres da poeira, moradores concretam ruas no Jardim Colonial, em Catalão

Para quem não viu, segue a reportagem do Bom Dia Goiás sobre o asfalto (a falta dele) no bairro Jardim Colonial, em Catalão:


Cansados de esperar por uma atitude do poder público, moradores do bairro Jardim Colonial começaram a concretar as ruas do local. Segundo a população, já foram apresentados à prefeitura um abaixo-assinado e um levantamento sobre a quantidade de massa asfáltica necessária para pavimentar o setor, mas ainda assim o problema não foi resolvido.

A Prefeitura afirmou que as ruas do bairro vão ser asfaltadas ainda no primeiro semestre deste ano, mas não especificou uma data para o início das obras.

Certamente será depois da Páscoa, assim que o coelhinho tiver entregue todos os ovos...


Compartilhe:

Respondendo rápido, sem paixão e com a razão (2)

Em tempos de rescisão de contrato com a empresa de coleta de lixo, o que levou a demissão de duzentos e cinquenta trabalhadores da limpeza urbana, retirada de caçambas de lixo e suspensão da "coleta diferenciada" MecLix, é até covardia escolher esse cartazinho para responder, mas sigamos em frente na série "Respondendo rápido, sem paixão e com a razão".


Respondendo rápido e sem paixão:
Coleta de lixo bem-feita é algo imprescindível para o bem estar da sociedade como um todo, pois evita a disseminação de doenças e contribui para que os resíduos se encaminhem para os seus devidos lugares, mas se o serviço prestado era tão importante, eficiente e diferente, POR QUE JARDEL DEIXOU A CORPUS IR EMBORA?!
Não se fala em outra coisa na cidade e a pergunta que não quer calar é: O QUE ESSA GESTÃO FEZ COM O DINHEIRO DE CATALÃO?

Do jeito que vai, em breve o cofre da Prefeitura de Catalão vai ficar igual às lixeiras MecLix após a saída da Corpus:



Amanhã tem mais.

Compartilhe:

Nova modalidade de motocross faz sucesso em Catalão

Uma nova modalidade de motocross vem agitando a galera ligada nesse esporte em Catalão.

É o Motocross Street, indicado para quem gosta de aventura durante o caminho de ida e volta para o trabalho diário, e que encontra nas esburacadas ruas da cidade a pista ideal para a prática do esporte. Confira o vídeo:


Os praticantes da modalidade aguardam a ida de Gustavo Sebba, agora eleito deputado estadual, ao programa Esporte Total (TV Goiânia/Band) para divulgação desse novo esporte, da mesma fora que ele foi para promover o Carnacross no ano passado.


Será que ele vai deixar os esportistas na mão?

Compartilhe:

Enquanto isso, no Facebook...

A população se manifesta sobre as medidas do prefeito em relação à Saúde:


Compartilhe:

Cortando despesas...

Após uma análise criteriosa de todas as despesas correntes da Prefeitura, depois de muito refletir, o Prefeito resolve cortar gastos e resolve chamar o Secretário da Administração para incumbi-lo dessa importante tarefa:


Compartilhe:

E se Catalão fosse o Titanic?

Essa eu vi no Facebook, achei joia e compartilho aqui no blog:


Sem dúvida é a frase do dia!!!

Compartilhe:

28 de janeiro de 2015

E a bunda da Paolla Oliveira?


A imagem de Paola Oliveira, de costas, usando apenas uma calcinha fio dental preta, na minissérie Felizes para sempre?, é o assunto das redes sociais. A cena, que foi ao ar nessa terça-feira (27/1), dominou a discussão no Twitter. Todo mundo, literalmente, só falou da bunda dela. Não à toa, foi o trending topic da manhã desta quarta-feira (28/1).
 
As cenas quentes protagonizadas por sua personagem, a acompanhante de luxo Danny Bond, com o casal Cláudio (Enrique Diaz) e Marilia (Maria Fernanda Cândido) ficaram entre os assuntos mais comentados do Twitter. A boa forma da atriz se tornou o assunto do dia.
 
No ano passado, em entrevista ao jornal Extra, Paola explicou a silhueta, “malho e faço dieta há 12 anos. Uma hora dá certo, outra não... Agora está dando certo”. Pelo menos a aprovação das redes sociais e o aumento nos números de audiência para os próximos episódios estão garantidos. 
 
Para quem perdeu a cena, eis o vídeo:
 
 
Compartilhe:

É preciso recuperar a autoestima de Catalão


Compartilho abaixo um texto do catalano Roberto Rocha, originalmente publicado no semanário O Catalão, da última sexta-feira, 24 de janeiro, com o qual concordo inteiramente:

A nova cara de Catalão


Não só cada pessoa tem a sua cara, a cidade também tem sua cara e sua expressão, no sentido figurativo.
Ultimamente estamos percebendo, que a cara de Catalão mudou, e mudou para pior. Catalão está perdendo sua marca de cidade das flores.
O colorido e os perfume das flores estão cedendo lugar para o verde do mato e do capim. A cidade do povo hospitaleiro está se tornando em um povo triste, queixoso e desanimado. O comércio fraco e sem expectativa está deixando a cada dia mais desempregados, e não te dinheiro circulando.
A cidade está perdendo o seu glamour, que conquista todo visitante. Os nativos, que hoje, bem menos da metade da população, que saíram para estudar, não querem retornar por falta de oportunidades. Muitos que não queriam sair, já estão com planos de mudança.
Enfim, a cara de Catalão mudou hoje uma população sem esperança, que "VIVER AQUI É BOM DEMAIS", não é dito com orgulho.
Sua história está tomando rumos, que não era assim, que os catalanos esperavam.

Como recuperar a autoestima da cidade?

Compartilhe:

Respondendo rápido, sem paixão e com a razão (1)

Como proposto no post de ontem, para dar início à série "Respondendo rápido, sem paixão e apenas com a razão", segue um dos cartazes que circulam no Facebook:


Respondendo rápido e sem paixão:
Catalão precisava sim das áreas azul e verde, tanto que a lei municipal estava aprovada desde 2008 e só não foi implantada antes por resistência dos comerciantes, MAS PRECISAVA SER TÃO CARO?!
A justificativa é a tecnologia usada, a mais moderna do país, mas o preço cobrado é maior do que nas outras praças onde a Explora Park opera (Andradina/SP - R$ 1,00 por hora; Apucarana/SC - R$1,40; Tubarão/SC - R$1,25), porque em Catalão é R$ 2,25?!

Como é para responder rápido e sem paixão encerro este post por aqui, mas prometo voltar em breve com outro texto mais aprofundado sobre essa questão.

Compartilhe:

Onde começa a corrupção?


É preciso mudar a forma de financiamento das campanhas políticas, o que ocorreu em Catalão nas últimas eleições é um retrato do que ocorre em todo o Brasil. Campanhas desiguais, caríssimas, ostensivas e intimidantes.

As empresas financiam campanhas não por ideologia, mas como um investimento de altíssima rentabilidade, haja vista o caso do Junior Friboi, cujo apoio ao Marconi no segundo turno rendeu à JBS 1 bilhão de reais.

Isso nenhum legislador quer discutir, portanto cabe a população reagir, se mobilizar e exigir mudanças, caso contrário estaremos condenados a rever rios de dinheiro correndo para eleger políticos e quem paga essa conta é o povo. 

Compartilhe:

Saindo do buraco...

Finalmente a gestão Jardel começa a sair do buraco:


Será que tem?

Compartilhe:

27 de janeiro de 2015

Responda rápido, SEM PAIXÃO E COM A RAZÃO


Na semana passada o Facebook dos catalanos foi inundado por uma série de "cartazes" coloridos intitulados "Responda rápido, SEM PAIXÃO E COM A RAZÃO", cada um trazendo uma pergunta sobre a gestão pública municipal. Ao final de cada cartaz vem a frase: "É sempre mais cômodo criticar e acreditar na primeira opinião que ouvimos. Analise o que o Jardel fez e como o PMDB reagiu".

O título dos cartazes já mostra a que eles servem: convidam o internauta (cidadão/eleitor) a refletir sobre os supostos problemas do município, mas usando a razão sem se deixar levar pela paixão (política, no caso), ou seja, sem se deixar influenciar pelo atual momento negativo pelo qual passa a avaliação do prefeito, pois, na lógica dos cartazes, se analisadas friamente, as ações do prefeito são todas benéficas e a oposição (no caso o PMDB) faz campanha contra, sem razão nenhuma para isso, mas se a população refletir friamente, sem se deixar influenciar pela primeira opinião que ouve, vai apoiar o que a atual gestão do município vem fazendo.

Não dá para negar que esses cartazes são uma pérola da comunicação digital, que usam muito bem o que os manuais do gênero recomendam (cores de fundo berrantes, letras coloridas e chamativas, frases curtas de fácil leitura e assimilação), e aí nota-se o dedo do vereador João Antônio, atual Secretário de Comunicação, escolhido para o cargo justamente por seu domínio das ferramentas de comunicação oferecidas pelas redes sociais, o campo preferido para o debate de ideias dessa gestão.

Essa iniciativa é algo que já foi experimentado com sucesso pelo Governo de São Paulo, na questão da falta de água, e por outros gestores municipais com assessorias de comunicação mais envolvidas com as redes sociais. Na maioria dos casos deu certo e os gestores conseguiram reverter ou diminuir o desgaste. Pode dar certo em Catalão também, é claro, haja vista a abrangência do Facebook e a capacidade de replicação e organização que os jardelistas possuem nessa rede social, mas essa estratégia também tem uma falha, que é justamente fornecer um instrumento que pode ser facilmente desconstruído e/ou usado pela oposição.

Para exemplificar, segue um cartaz:


Respondendo rápido, sem paixão e com a razão: Catalão precisava sim da Unidade de Pronto Atendimento que está sendo construída, MAS a população não podia ficar SEM o atendimento no Pronto Socorro da Santa Casa até ela ficar pronta. 
Aí vem a desconstrução: Porque Jardel atrasou em três meses o repasse para o Pronto Socorro da Santa Casa? Responda rápido, sem paixão e com a razão: PRA ONDE ESTÁ INDO O DINHEIRO DE CATALÃO?

Esse foi só um exemplo. A partir de amanhã, aqui no blog, irei responder os outros cartazes usando apenas argumentos racionais, sem paixão nem política, para ilustrar que a população de Catalão não é o cordeirinho inocente e influenciável que vai para feliz o sacrifício, como querem nos fazer acreditar a atual gestão municipal. 

Compartilhe:

Sofrência catalana


Segue abaixo o vídeo, versão do sucesso "Porque o homem não chora, de Pablo, que está bombando no WhatsApp dos catalanos:


Compartilhe:

26 de janeiro de 2015

O "precinho" do apoio de Júnior Friboi no segundo turno das eleições em Goiás

Para quem acha que disputar eleição é coisa simples, que basta força de vontade e disposição para submeter seu nome às urnas, compartilho abaixo a matéria de Fabiana Pulcineli, publicada no jornal O Popular no sábado, 24 de janeiro, para ilustrar o quanto o jogo eleitoral é pesado:


Lei teve validade de uma semana

Iniciativa permitiu ao JBS reduzir dívida de R$ 1,3 bilhão com o Estado para R$ 320 milhões
Fabiana Pulcineli 24 de janeiro de 2015 (sábado)


Com três dias de tramitação na Assembleia Legislativa, a Lei 18.709/2014, aprovada em dezembro e que teve validade de apenas uma semana, abriu caminho para que o grupo JBS negociasse as dívidas com o Estado de Goiás, reduzindo o valor de cerca de R$ 1,3 bilhão para R$ 320 milhões. As novas regras permitiram isenção de todos os juros, multas e correção monetária (veja quadro) para as empresas que quitassem 40% das dívidas totais à vista, com possibilidade de parcelamento do restante em cinco anos.

Em maio do ano passado, O POPULAR revelou que a JBS, maior empresa de processamento de carne bovina do mundo, era acusada de dever R$ 1,3 bilhão de Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) ao Estado. Nos nove anos anteriores, a empresa recebeu 49 autos de infração pela suposta sonegação do imposto. O valor total da cobrança correspondia, na ocasião, a 18% das pendências fiscais que contribuintes na ativa tinham em Goiás.

Depois da publicação da reportagem, o governo estadual anunciou a inscrição na dívida ativa de cinco processos que já haviam sido julgados de forma definitiva no Conselho Administrativo Tributário (CAT), da Secretaria Estadual da Fazenda (Sefaz).

Ontem, o jornal Diário da Manhã mostrou que a JBS aderiu ao programa, com pagamento à vista de R$ 170 milhões (53% da dívida recalculada com as facilidades da lei) e parcelamento de R$ 150 milhões em 60 meses. Os juros do parcelamento são de 0,2%.

O projeto de lei com ampliação dos benefícios do Programa de Incentivo à Regularização Fiscal de Empresas no Estado de Goiás (Regulariza) – instituído em maio do ano passado –, foi encaminhado pelo governador Marconi Perillo (PSDB) no dia 15 de dezembro, com protocolo na Assembleia Legislativa no dia seguinte. A mensagem do governo solicitava tramitação especial da matéria.

O líder do Governo na Casa, deputado Fábio Sousa (PSDB), solicitou suspensão dos interstícios regimentais exigidos para o processo legislativo, o que permitiu a tramitação mais rápida do projeto. Na mesma data, ficou pronto o relatório, favorável à aprovação, do deputado Talles Barreto (PTB) na Comissão Mista, que acatou o parecer.

Em 17 de dezembro, a matéria foi aprovada em primeira votação no plenário. No dia seguinte, houve aprovação em segunda votação. O autógrafo de lei foi encaminhado no dia 19 ao governador. A publicação ocorreu em suplemento do Diário Oficial do Estado do dia 22 de dezembro.

Com validade apenas até o dia 29 de dezembro, as novas regras não teriam contado com grande adesão e são chamadas nos bastidores entre empresários de “lei JBS”. No dia 24 de dezembro, houve ponto facultativo no Estado e dia 25 feriado de Natal.

Na justificativa do projeto, o governador informou que a expectativa era de arrecadação de R$ 180 milhões em dezembro com as novas regras. “Esse valor contribuirá de forma decisiva para que o Estado cumpra a meta de arrecadação de receita própria pactuada no Programa de Reestruturação e de Ajuste Fiscal, firmado com a Secretaria do Tesouro Nacional”, justificou.

Talles Barreto também diz que o relatório favorável teve como objetivo contribuir com o Estado para o fechamento das contas de 2014. Segundo ele, o então secretário da Fazenda, José Taveira, argumentou que as negociações com as empresas eram importantes para aumentar a arrecadação. “Nunca ouvi dizer que era para favorecer a JBS. Era uma oportunidade dada a todas as empresas. E as novas regras foram extremamente divulgadas no meio empresarial, mesmo com o curto tempo para adesão”, afirmou o deputado.

A Sefaz afirma que a lei foi positiva para o Estado. Já a assessoria de imprensa da JBS informou que a empresa não vai comentar o caso.

Nos bastidores, houve a informação de que a JBS conseguiu na Justiça suspender a tramitação de processos de cobrança de dívida e teria cogitado o recuo no acordo com o Estado. A Sefaz informou que isso é impossível porque, a partir do termo de acordo, a empresa faz uma “confissão irretratável do débito”. A secretaria afirmou ainda que não tem conhecimento de decisões na Justiça. 

Com uma lei, aprovada em regime de urgência urgentíssima, com validade de uma única semana, que teve adesão de apenas um grupo empresarial, o Governo de Goiás "arrecadou" 320 milhões de reais e o Grupo Friboi economizou 1 bilhão... para quem essa a lei serviu mesmo? Para o combalido tesouro público estadual ou para a empresa privada? 

E o que é que os contribuintes goianos tem a ver com os conchavos políticos de Júnior Friboi, que deixou de ser candidato por causa das dívidas e apoiou Marconi no segundo turno e agora vê as dívidas da JBS serem reduzidas a menos de um terço do valor original?



A reportagem denuncia que houve um acordo prévio, antes da elaboração do tal decreto, olhando a forma como foi conduzido o Projeto de Lei, não resta dúvidas que foi um jogo combinado, entre o governador e Junior do Friboi, com a complacência dos deputados que aprovaram a matéria, como objetivo de recompensar, COM DINHEIRO DO POVO, o Junior do Friboi pelo apoio do mesmo a candidatura de Marconi nas eleições passadas.

Compartilhe:

Enquanto isso, no Centro da cidade...

Uma cena inusitada chama a atenção de quem passa pela praça Getúlio Vargas, em Catalão:


Compartilhe:

23 de janeiro de 2015

Enquanto isso, no trânsito de Catalão...

Um xingamento específico causa revolta nos motoristas da cidade:


Compartilhe:

E a reforma do ginásio vem aí (de novo)!!!

#agoravai #muitofeliz

Com essas duas hashtags o Prefeito de Catalão terminou de publicar em seu perfil no Facebook a informação de que o Governador Marconi Perillo acabava de assinar um decreto liberando 6 milhões de reais para obras em Catalão, sendo 3 milhões para asfalto (Rodovida Urbano) e 3 milhões para a reforma do Ginásio Internacional Dimas Gomes Pires. Segue o post:



Segue a imagem do Decreto:


O interessante é que essa ótima notícia veio logo após reportagem da TV Anhanguera justamente sobre o descaso do Governo do Estado para com a reforma do ginásio:



Coincidência, é claro.

O que não é coincidência é o deboche com que o Governo de Goiás trata Catalão no que se refere a obras prometidas: sempre sai um recurso, sempre as obras começam, sempre tem festa anunciando, mas as obras nunca terminam, haja vista o aeroporto, inclusive já inaugurado, mas sem condições de funcionamento, em parte por falta de móveis, mas principalmente por falta de condições de segurança.

E o pior é que o nosso prefeito, aliado-mor do Governo de Goiás, prefere defender o indefensável e repassar a enganação para o povo de Catalão, afinal não é a primeira vez que o Governo não cumpre suas promessas para com o município (e não será a última), mas o prefeito ignora e vende para o povo a ideia do parceiro exemplar que Catalão tem... uma lástima!

Enfim, para aqueles que acham exagero de minha parte, reproduzo abaixo o final de um post publicado em 18 de janeiro de 2014, justamente sobre a reforma do ginásio, ocasião em que se propagou o investimento de 3 milhões na obra (os mesmos 3 milhões de agora), só para provar que após um ano o deboche com o povo de Catalão continua e não vai parar:
E é com esse mesmo compromisso com o aeroporto que o Governo do Estado anuncia a reforma do ginásio, que iniciará tão logo o período chuvoso termine, o carnaval acabe, a Copa do Mundo passe, as eleições terminem, o coelho da páscoa entregue todos os ovinhos e o Papai Noel esvazie seu saco de presentes... tá pertim, pertim!!!

Tem que ter fé!!!

Compartilhe:

Repasse para a Santa Casa continua atrasado...

Uma singela charge, retratando a situação pela qual passa a população de Catalão, mais uma vez sem atendimento no Pronto Socorro da Santa Casa, e a frase de mobilização do momento:


Je suis Santa Casa!!!

Compartilhe:

22 de janeiro de 2015

Prefeito preocupado...


Compartilhe:

Se cuida, Roberto Carlos!!!


Roberto Carlos, o Rei, pode colocar as barbas de molho. 

Aparentemente, temos um novo Rei da música brasileira: Maguinho do Piauí. Artista completo, ele compõe, canta, dança… E vai saber se não foi ele quem editou esse fabuloso vídeo que é sucesso no Youtube?


Compartilhe:

Questão de perspectiva

Como um cão e um gato veem seu dono:


Compartilhe:

21 de janeiro de 2015

Retrospectiva 2014 - Notícias de Catalão e região

Para quem não viu, segue o vídeo de retrospectiva da TV Anhanguera, com as principais notícias de Catalão e região veiculadas pela emissora no ano passado:


Compartilhe:

Remédio contra as críticas

Preocupado com a repercussão negativa das críticas de internautas nas redes sociais e das reportagens da TV Anhanguera denunciando problemas na Saúde, o Prefeito Jardel resolveu apresentar para a população de Catalão o remédio definitivo para aqueles que criticam sua gestão:


Esse é para ser aplicado em doses abundantes...

Compartilhe:

19 de janeiro de 2015

Sem medo de ser impopular


A charge acima retrata o que o povo de Catalão pensa sobre quem aconselhou o prefeito sobre certos assuntos:
Área Azul; 
Empréstimos milionários;
Desgaste com vereadores da base aliada; 
Fechamento da maternidade da Santa Casa;
Rompimento de contrato com a Transduarte; 
Diminuição das Vans que levam pacientes para Goiânia;
Lacre de bombas hidráulicas de pequenos produtores rurais;
Diminuição dos atendimentos na Casa de Catalão em Goiânia;
Diminuição dos ônibus que levam estudantes para Uberlândia e Araguari;
Não pagamento de fatura da Santa Casa, mesmo sob risco de paralisação no atendimento;

É... no que se refere a medidas polêmicas e impopulares a atual gestão do município vai muito bem.

Mas isso, ao contrário do que é sempre propagado, não é de todo ruim, afinal o prefeito não tem que agradar a todo mundo nem deve ter medo de tomar medidas impopulares, desde que essas medidas sejam, a médio e longo prazo, benéficas para a população (Área Azul e transporte coletivo, por exemplo).

O que não pode é aplicar medidas impopulares e delas não haver retorno nenhum para a população: o lacre das bombas dos ribeirinhos em nada diminuiu a crise de abastecimento de água; o fechamento da maternidade da Santa Casa e a mudança dos atendimentos para o Materno Infantil não melhorou o atendimento no Pronto Socorro; e o não pagamento da fatura de dezembro, mesmo com a melhor das justificativas, só repercutiu negativamente entre a população, haja vista a nova paralisação no atendimento depois de um propagado e noticiado acordo entre médicos e prefeitura.

Faltam pouco mais de vinte e três meses para o término do mandato, tempo suficiente para as medidas serem absorvidas pela população e para a propagando oficial ressaltar os benefícios de cada uma. Mas se o povo vai absorver bem ou mal só as urnas poderão dizer.

Compartilhe:

Tiro pela culatra


Compartilhe:

Erros fatais


Compartilhe:

15 de janeiro de 2015

População revoltada incendeia casa do Prefeito

Segue a reportagem do Jornal Hoje sobre reação violenta da população à incompetência de seu  prefeito:


Moradores de Coari, no Amazonas, destruíram carros e colocaram fogo na casa do prefeito. Um grupo protestava contra o atraso no pagamento dos salários dos servidores municipais e o outro pedia o aumento da tarifa dos mototaxistas.

Os manifestantes depredaram a Câmara Municipal, destruíram o carro do prefeito e invadiram a casa da mãe dele. Quebraram o portão, tiraram o carro da garagem e viraram ele na rua.

Os móveis também foram colocados para fora e queimados. Em outro ponto, os manifestantes botaram fogo na casa onde mora o prefeito e numa casa que ainda estava em construção.
 
Se essa moda espalha ia ter prefeito em Goiás que ficaria com a pulga atrás da orelha... 


Compartilhe:

Você sabe o que quer dizer "aperreado"?*

(Pintura indígena reproduzida no livro Proceso de residencia instruido contra Nuño de Guzmán, de José Fernando Ramírez, 1847)
“Estou aperreado”. “Não me aperreie, menino!”. Quem, no Nordeste, nunca ouviu uma frase assim? Usar “aperreado”, “aperreio”, no sentido de estar chateado, incomodado, em uma situação difícil, faz parte do vocabulário corrente dos nordestinos. Mas de onde é que vem essa palavra, afinal?

Aperreado vem de perro, que, em espanhol, significa cachorro. Aperreamiento (aperreamento, em português), portanto, significa literalmente ser alvo de cães. A palavra surgiu da prática comum entre os conquistadores da América de atiçar cães ferozes contra os nativos para os amedrontar e, em muitos casos, os devorar. Aperreado não é sinônimo de “agoniado”, “aflito”, mas de “dilacerado ou comido por cães”. Não é chocante?

É incrível como um termo aparentemente inocente pode dizer tanto sobre a forma como nos ensinam a história. No passado, os conquistadores foram muitas vezes descritos como “valentes”, “aventureiros”, “audazes”, “heróicos”. E, mesmo quando as crueldades que eram capazes de fazer vieram à tona, os detalhes sórdidos foram omitidos. Um exemplo é o papel (horrendo) que tiveram os cães na conquista.

Tudo indica que os primeiros cães europeus que chegaram à América foram mastins, alanos e galgos espanhóis trazidos por Cristóvão Colombo em sua segunda viagem, em 1493. Até então, só havia cães esquimós e um tipo de cachorro tão manso que vários cronistas os chamavam de “o cão mudo”. Conhecidos na língua náuatle como techichi ou itzcuintli, foram domesticados pelos índios como cães de companhia, sobretudo para as crianças. Eram encontrados em abundância em todo o México e América Central, mas, de carne saborosa, eram também comidos pelos espanhóis e nativos, e desapareceram.

Já os ibéricos tinham treinamento de cães de guerra. Utilizados para submeter os indígenas, aterrorizando-os psicológica e fisicamente, as feras eram capazes de, ao simples comando de “pega!”, estraçalhar com seus caninos gigantescos dezenas de índios de uma vez. Há cães que passaram à história por sua “bravura”, eufemismo para ferocidade e dentes afiados: Becerrillo, Leoncillo, Amadis, Bruto.
(Cães devoram índios acusados de sodomia no século 16)

Apesar de estes relatos terem sido convenientemente deixados de lado na história que nos ensinam nos colégios, os cronistas da época são pródigos em descrições, principalmente Bartolomeu de las Casas (1474-1566). O frei dominicano espanhol, célebre por denunciar em suas obras o sadismo de seus compatriotas, que matavam velhos, adultos e crianças indígenas por diversão, traz alguns depoimentos revoltantes sobre o uso de cães no livro Brevísima Relación de la Destrucción de las Indias, de 1552 (leia aqui). É de chorar:

“Todos que podiam se escondiam nas montanhas e subiam às serras fugindo de homens tão desumanos, tão sem piedade e tão ferozes bestas, extirpadores e inimigos capitais da linhagem humana. Ensinaram e amestraram galgos, cães bravíssimos que, vendo um índio, o despedaçavam em um credo, e se arremetiam contra ele e o comiam como se fosse um porco. Esses cachorros fizeram grandes estragos e carnificinas.”

“Fizeram e cometeram grandes insultos e pecados, e acrescentaram muitas e grandíssimas crueldades mais, matando e queimando e assando e atiçando cachorros ferozes, e depois oprimindo e atormentando e explorando nas minas e em outros trabalhos, até consumir e acabar com todos aqueles infelizes inocentes.”

“Como andavam os tristes espanhóis com cães bravos buscando e aperreandoos índios, mulheres e homens, uma índia enferma, vendo que não podia fugir dos cachorros, para que não a fizessem pedaços como faziam aos outros, pegou um trapo e amarrou ao pé um menino que tinha de um ano e enforcou-se numa viga, e não o fez tão rápido que não chegassem os cães e despedaçassem a criança, mas antes de que acabasse de morrer um frei o batizou.”

“Indo certo espanhol com seus cães à caça de veados ou de coelhos, um dia, não achando o que caçar, lhe pareceu que os cachorros tinham fome, e tirou um menino pequeno de sua mãe e com um punhal cortou-lhe em nacos os braços e as pernas, dando a cada cachorro a sua parte; e, depois de comidos aqueles pedaços, jogou todo o corpinho no solo a todos juntos.”

Horror: segundo de las Casas, os espanhóis mantinham inclusive uma espécie de açougue onde penduravam pedaços de índios para dar aos cachorros. Curioso é que os europeus de então se chocavam com a existência de canibais entre os índios da América…
(O “açougue” humano ilustrado por Theodor de Bry)

“Já está dito que os espanhóis das Índias têm cães bravíssimos e ferocíssimos, adestrados e ensinados para matar e despedaçar os índios. Saibam todos que são verdadeiros cristãos, e ainda os que não são, se foi ouvida no mundo tal coisa, que para manter os ditos cães trazem muitos índios em correntes pelos caminhos, que andam como se fossem varas de porcos, e os matam, e têm açougue público de carne humana, e dizem uns aos outros: ‘Me dê um quarto de um desses bellacos (“inúteis”, “canalhas”, como se referiam aos índios) para dar de comer a meus cachorros até que eu mate outro’, como se fossem quartos de porco ou de carneiro. Há outros que saem a caçar de manhã com seus cães, e voltando para comer, perguntados como foi, respondem: ‘Foi bem, porque coisa de quinze ou vinte bellacos eu deixei mortos com meus cachorros’.”

Na América do Sul há menos relatos disponíveis sobre os aperreamentos, mas sabe-se que os cães foram usados contra os índios na Colômbia, Venezuela e Peru. No Brasil, fala-se de cães da raça fila utilizados na caça de escravos fugidos. Como será que a palavra “aperrear” entrou de forma tão forte no Nordeste? Ainda não sei, mas prometo descobrir. Desconfio que seja coisa dos bandeirantes, aqueles “heróis” paulistas.

Se eu pretendo que os nordestinos parem de falar que estão “aperreados” por causa dessa origem tão abjeta? Não, embora termos como “judiar” e “denegrir” sejam hoje vistos com reservas, pois trazem embutidos preconceitos de raça. Eu ficaria satisfeita se, ao ouvirem ou pronunciarem este termo, pelo menos viesse à memória das pessoas que milhares de índios foram mortos a dentadas para que “aperrear” entrasse em nossos dicionários.

*Por Cynara Menezes, no blog Socialista Morena

Compartilhe:

Enquanto isso, no Gabinete do Prefeito...

Adequadamente trajado para mais um dia de trabalho, o super-prefeito Jardel acompanha a entrevista de Adib Elias à Rádio Cultura de Catalão e tira suas conclusões sobre a fala do deputado:


Compartilhe:

12 de janeiro de 2015

Cada terrorista atua onde pode...

Tendo em vista as últimas postagens de alguns catalanos no Facebook sobre a situação política local, me ocorreu uma charge que contempla bem o nível do debate que acontece diariamente nessa rede social:


É o mais puro terrorismo virtual!!!

Compartilhe:

Logomarca atualizada contemplando a atual situação do Morrinho de São João

E o morrinho do São João, hein?!
 
Não é nenhuma novidade que a atual gestão do município de Catalão vem descuidando do Morrinho de São João, principal cartão postal da cidade (e se fosse só do morrinho estaria de bom tamanho), sendo este fato já relatado por diversos blogs, rádios, televisão e perfis nas redes sociais.

A conservação desse importante patrimônio histórico da cidade é objeto de um Termo de Ajuste de Conduta (TAC) firmado entre o Ministério Público e a Prefeitura de Catalão, ainda em julho de 2013 com prazo de cumprimento de um ano, mas até hoje nada foi feito.

Causa estranheza, pois o morrinho de São João além de ser o cartão postal da cidade faz parte da logomarca da atual gestão do município, tamanha a sua importância histórica, e as denúncias estão cada vez mais frequentes, mas o poder público municipal não se movimenta, sequer para garantir a integridade da igreja do morrinho, alvo de pichações, depredações e até de macumba. 

Pensando nisso elaborei uma nova logomarca para a Prefeitura que, acredito, contempla bem a atual situação pela qual passa o morrinho do São João e compartilho aqui no blog:


É ou não é a cara da atual gestão?

Compartilhe:

9 de janeiro de 2015

Resolução de ano novo: Ser mais cachorro!



É isso mesmo, só não leve para o lado sexual da coisa.

O Vídeo, conta a história de um gato, que já estava cansado de ser “tão gato”, cansado de uma vida monótona, sem muita cor… Para agitar um pouco as coisas, ele resolve transformar sua rotina com algumas atividades que um gato normalmente não faz.

O curta é uma mensagem para todos deixarem de ser tão gatos, tão largados a espera da próxima refeição e ao invés disso irem atrás de algo novo, movimentar-se, fazer algo que faça o seu próprio mundo girar...



Sejamos todos mais cachorros!!!

Compartilhe:

Breve resumo dos últimos 14 anos em Catalão


Compartilhe:

O extintor que não apaga o fogo


Quem sabe, faz ao vivo!!!
 
O vídeo abaixo está bombando na internet. Trata-se de uma reportagem do Bom Dia Goiás sobre a obrigatoriedade de uso dos novos extintores do tipo ABC, mais caro e impossível de recarregar, que começou a vigorar no início deste ano. A ideia era mostrar que o novo extintor é mais eficiente no combate ao fogo, mas infelizmente não foi o que a reportagem mostrou:


De toda forma só pela presença da bela Mariana Martins vale a pena ver a reportagem.

Compartilhe:

8 de janeiro de 2015

Cartunistas fazem homenagens para mortos no atentado contra a Charlie Hebdo

Por meio de charges, cartunistas brasileiros prestam homenagens para os profissionais mortos no atentado contra o escritório da revista francesa Charlie Hebdo:


 






Essa última é a melhor:


Compartilhe: